Home » Brasil » Pior colocada do DF no Enem, escola tem histórias de superação nota 10

Pior colocada do DF no Enem, escola tem histórias de superação nota 10

Pior colocada do DF no Enem, escola tem histórias de superação nota 10

Maioria dos alunos do Centro Educacional 1 da Estrutural é da Educação de Jovens e Adultos (EJA). São maiores de 18 anos que voltaram a estudar

A instituição, que tem um ambiente colorido e bem cuidado, atende no turno diurno cerca de 2 mil crianças entre o 4º e o 6º ano do ensino fundamental. Já no período noturno, existem 820 alunos matriculados no ensino médio do CED 1 da Estrutural. A maioria deles, no entanto, não pensa em entrar na faculdade e precisa lutar contra o cansaço para conseguir dar seguimento aos estudos: são os alunos do Ensino de Jovens e Adultos (EJA), que atende a pessoas maiores de 18 anos que queiram completar o ensino médio.São 520 alunos nessas modalidade, matriculados em 11 turmas da unidade de ensino. Segundo o vice-diretor da escola, Celso Cavalcante, a maioria trabalha durante todo o dia e já chega à escola cansada.

Eles estudam para conseguir arranjar um emprego melhor, já que os trabalhos que envolvem pessoas com apenas o ensino fundamental exigem, em maioria, um grande esforço braçal. Mas não costumam ter vontade de seguir faculdade ou nada assim

Celso Cavalcante, vice-diretor da escola
DANIEL FERREIRA/METRÓPOLESDaniel Ferreira/Metrópoles

A merendeira Marinete Batista, de 51 anos, está prestes a completar o ensino médio

É o caso da merendeira Marinete Batista, 51 anos. Ela parou de estudar aos 15, quando estava na 6ª série. Depois, casou, teve dois filhos e só foi pensar em voltar para a escola em 2007, já com 42 anos. “Decidi voltar por conta dos meus filhos, né? Tinha medo de eles me perguntarem dúvidas nas lições de casa e eu não saber responder”, conta a mulher, que trabalha em uma escola na Asa Sul. Agora, ela está no 3º ano e deve se formar no fim de 2016. Não fez o Enem 2015, mas prestou o exame em um ano anterior e se orgulha da nota tirada: “Foi alta, 300 e pouco”, diz, orgulhosa.

DANIEL FERREIRA/METRÓPOLESDaniel Ferreira/Metrópoles

A auxiliar de serviços gerais Régila Soares, 42 anos, hoje estuda na mesma sala que uma das filhas, cursando o 2º ano do ensino médio

A vontade de incentivar o estudo dos filhos também foi o que fez a auxiliar de serviços gerais Régila Soares, 42 anos, voltar à escola. Ela deixou os estudos ainda jovem, após se casar aos 15 anos, quando cursava a 5ª série. Régila, que trabalha das 7h às 17h, agora está no 2º ano do ensino médio, na mesma sala de uma das duas filhas, que também havia parado de estudar e voltou por conta do estímulo da mãe. “Às vezes só dá tempo de chegar do trabalho, tomar banho e vir. Mas eu gosto muito de aprender mais coisas. Menos matemática”, brinca.

Esforço
Para Celso Cavalcante, a realidade dos estudantes do EJA é muito diferente da vivida pelos alunos do matutino, “que vão à escola com a cabeça fresca” e têm mais tempo para se dedicar. “O objetivo do Enem não é atingir esses alunos (do EJA). A meta desses estudantes tampouco está relacionada com o Enem”, explica o vice-diretor.

No ano passado, segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), apenas 23 alunos da escola fizeram o exame. De acordo com Cavalcante, boa parte deles era composta de estudantes da única turma de ensino médio regular que era lecionada no local em 2015.

Os poucos alunos do EJA que preenchem a prova, segundo Cavalcante, usam o exame apenas como uma forma de conseguir o diploma com mais rapidez. Na modalidade, o conteúdo de um ano é passado em apenas seis meses e, como todos os alunos são maiores de 18 anos, estão habilitados a fazer o Enem. Se conseguirem atingir uma nota mínima, já recebem o certificado de conclusão do ensino médio. A carga horária dos alunos do noturno também tem 200 horas a menos do que a do diurno.

“Esses estudantes não se sentem preparados para competir com os outros. O objetivo que têm é apenas competir com eles mesmos e conseguir melhorar de vida”, explica o vice-diretor. A falta de segurança na Estrutural, o cansaço e a dificuldade da rotina também são apontados como problemas que atrapalham o desempenho desses alunos.

Inserção digital
Apesar de todos os obstáculos, Celso Cavalcante garante que a equipe profissional da escola está sempre disposta a incentivar os estudantes. Nos últimos anos, eles têm tentado assimilar, aos poucos, questões do Enem nas provas da escola. A equipe também realiza simulados em situações parecidas com as circunstâncias do exame, para que os matriculados se acostumem. Quando as inscrições para a prova são abertas, também são feitos mutirões para que os alunos possam utilizar os computadores e impressoras da escola, já que nem todos têm acesso a esses equipamentos.

DANIEL FERREIRA/METRÓPOLESDaniel Ferreira/Metrópoles

Apesar das dificuldades, Patrícia Torres, 36 anos, vai completar o 3º ano do ensino médio e já se prepara para a faculdade

Os números podem ainda não ser expressivos, mas essas iniciativas já começam a mostrar resultados. É o que comprova o caso da cabeleireira Patrícia Torres, 36 anos. Ela parou de estudar aos 12 anos, na 5ª série. Aos 29, decidiu voltar à sala de aula também para incentivar os filhos, e retornou à 1ª série do ensino fundamental. Hoje, no 3º ano, prestes a se formar, faz planos para o futuro, que envolvem o Enem deste ano: “Agora, posso fazer um concurso e entrar na faculdade. Ainda não escolhi o que quero fazer, mas sei que a vida vai ser melhor”.

Fonte: http://www.metropoles.com/distrito-federal/educacao-df/pior-colocada-do-df-no-enem-escola-tem-historias-de-superacao-nota-10

 

About Germano Guedes

Olá Pessoal, Sou Germano Guedes, criador do site “a politica e o poder”. Baiano, morador da Estrutural desde 99, cheguei a Capital Federal para tentar a vida como milhares de outras pessoas. Ao chegar na Estrutural, começei a participar de discussões que visavam a melhoria da qualidade de vida na Cidade. Vi que alguns grupos já formados, ” monopolizavam” os moradores e inclusive, a informação que chegava até a comunidade. Nessa condição, resolvi criar um blog – meio que possibilitaria levar informação as pessoas. Neste canal, soltei o verbo e começei a dizer o que eu realmente pensava sobre o que acontecia na Estrutural. Abordei vários assuntos polêmicos, revelei notícias “bombas” e muitas vezes, tive que desmascarar grupos organizados que não pensavam no interesse da população – como diz o ditado ” era só venha a nós” e a população que se vire. Como Prefeito Comunitário pude participar mais ativamente das ações políticas que discutiam a Estrutural. Lixão, instalação de creches, reabertura de escolas e a regularização de alvará dos comerciantes eram algumas de nossas reivindicações. No ano de 2014, fui indicado pelo meu Partido – PRB – a vaga de administrador da Cidade. Continuo abastecendo o site com notícias e assuntos polêmicos, dizendo realmente o que penso. Porém, agora somos uma equipe e ” A Política e o Poder”, além de abordar assuntos correlatos à Estrutural, terá uma discussão voltada para todo o Distrito Federal, garantido informação e notícias exclusivas a todos os brasilienses que nos acompanham.